Cirurgia bariátrica não é a solução para todos os casos de obesidade

A luta contra a obesidade não se restringe à questão estética, mas também de saúde, e nesse caso até mesmo intervenção cirúrgica pode ser necessária. Mas em quais quadros clínicos a cirurgia é indicada? Todas as pessoas acima do peso podem recorrer ao procedimento? Quem explica sobre isso é o gastroenterologista Rafael Beltrami, da Àpice Medicina Integrada, que fala também das contraindicações existentes.

O especialista, que também realiza cirurgias bariátricas, explica que para ser submetido a tal procedimento há algumas indicações, tendo como principal o fato de estar acima do peso, com o Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 40, ou acima de 35, caso hajam outros problemas relacionados à obesidade, como diabetes, asma, e problemas pulmonares. A faixa etária varia entre os 15 e 60 anos, incluindo, como pré-requisito, não ter conseguido perder peso normalmente. O médico porém atenta que, na avaliação pré-cirúrgica, as contraindicações são problemas pulmonares graves, cirrose, cirrose hepática, problemas cardíacos e insuficiência renal.

Beltrami também destaca haver variações de técnicas cirúrgicas. Entre as quais ele cita as técnicas disabsortivas, que permitem ao paciente comer, no entanto, atrapalham a absorção dos nutrientes e com isto levam o obeso ao emagrecimento. São, em geral, muito bem sucedidas quanto ao emagrecimento, que pode chegar a 40% do peso original, no entanto, têm necessidade de controle mais rígido quanto a distúrbios nutricionais, de elementos minerais e vitaminas. Tais técnicas vêm se tornando cada vez mais populares devido à qualidade de vida que traz ao paciente. O especialista cita ainda que essas operações são conhecidas como “desvios do intestino”, pois desviam uma boa parte do caminho que os alimentos têm que passar, desta forma fazendo um circuito menor e propiciando uma absorção menor dos nutrientes.

Entretanto, o médico atenta que para ser submetido à cirurgia bariátrica, todo paciente precisa também se preparar por meio de uma equipe multidisciplinar, que envolve nutricionista, psicólogo e cardiologista, e que a adaptação pós operatória é variável, devendo ser acompanhada pela equipe multidisciplinar, especialmente do psicólogo, bem como com manutenção de atividades físicas.

Beltrami reforça, porém, que a qualidade de vida dos pacientes submetidos ao procedimento bariátrico é indiscutível, salientando inclusive a melhora da autoestima. Mas, o especialista também alerta que a cirurgia bariátrica só é indicada para pacientes que apresentam problema de saúde recorrente da obesidade, sendo contraindicada quando se trata apenas de questão estética.

Fonte: Jornal Cruzeiro